Resenha: O sol é para todos

14:00



Quando um livro é considerado obra essencial para todos os públicos das mais diversas épocas e idades, é comum que a curiosidade nos permeie para identificar do que se trata a temática. “O sol é para todos” era um título que há muito tempo estava na minha lista de livros para ler, mas que nunca havia tomado a iniciativa. Recentemente percebi que precisava de uma leitura impactante, que trouxesse à tona questões que prendem e comovem quem está lendo, uma leitura que deixa o leitor de cabelo em pé. Com certeza “O sol é para todos” se enquadra perfeitamente nessas definições.

Em um dos maiores clássicos da literatura mundial, conhecemos uma história que traz à tona a injustiça e o preconceito racial, e percebemos o quanto ainda são tão atuais, mesmo com o passar do tempo. Ambientado nos Estados Unidos dos anos de 1930, nos deparamos com uma narrativa que muito se assemelha aos dias de hoje.


• Páginas: 350
• Título original: To Kill a Mockingbird
• Autora: Harper Lee
• Área temática: Romance
• Editora: José Olympio

Através da perspectiva de Jean Louise (ou Scout Finch, como é chamada por seus conhecidos), uma menina de 6 anos, conhecemos a cidade de Maycomb e as histórias que por ali permeiam. Scout tem como grande escudeiro o seu irmão mais velho Jem, é com ele que desfruta as melhores aventuras da infância, as brincadeiras e as travessuras. Maycomb é um lugar pequeno e pacato, até o dia em que o pai das crianças, o advogado Atticus Finch, defende um homem negro acusado de estuprar uma mulher branca, o que desperta represálias da comunidade racista da pequena cidade.

“Eu queria que você visse o que é realmente coragem, em vez de pensar que coragem é um homem com uma arma na mão. Coragem é quando você sabe que está derrotado antes mesmo de começar, mas começa assim mesmo, e vai até o fim, apesar de tudo. Raramente a gente vence, mas isso pode até acontecer.”


Os personagens são bem humanos e cativantes, logo de cara somos imersos na família dos “Finch” e nos sentimos parte dela. Conhecemos as crianças, a rotina, a vizinhança e como as coisas mudam com o desenrolar do tempo. É um livro que trata de temas densos, mas ao mesmo tempo traz uma sutileza na narrativa e uma maneira fluida de despertar a atenção e o senso crítico de quem lê.

Com uma história forte, esse é um livro que marca profundamente cada leitor. A sensação de injustiça e de se sentir de mãos atadas pode ser comumente sentida por quem está lendo esta obra. É de se admirar como podemos ser surpreendidos positiva e negativamente através do desenrolar da trama. Essa com certeza será uma obra que levarei comigo pra sempre. Em cada ato de injustiça, de intolerância, de falta de empatia do cotidiano, lembrarei de que por mais dura que a vida possa parecer o sol é para todos.

Gostam de clássicos? já leram esse?

Comente:

0 comentários